Luvas controladas pelo cérebro ajudam na recuperação de vítimas de derrames

Uma nova luva mecânica desenvolvida pela Universidade de Medicina de Washington, em St. Louis, promete auxiliar na recuperação de vítimas de derrames cerebrais. Conhecida como Ipsihand, a novidade se conecta diretamente ao cérebro com o objetivo de ajudar pacientes a “reaprender” como controlar corretamente suas mãos.

O dispositivo assume tanto o formato de uma luva quanto de um bracelete e é combinado a uma tampa de eletroencefalografia não invasiva e a um computador que amplifica os sinais transmitidos. “Demonstramos que uma interface computador-cérebro usando um hemisfério não danificado pode conseguir uma recuperação significativa em pacientes crônicos com derrames”, afirma Eric Leuthardt, coautor sênior do estudo.

A Ipsihand funciona a partir do princípio de que suas mãos são controladas por hemisférios contrários do cérebro: a parte esquerda controla sua mão direita, por exemplo. Em um órgão saudável, os controles feitos pelo hemisfério esquerdo são acionados uma fração de segundo antes pelo direito, que dá sinal de que há intenção de movimento — e é justamente o sinal dessa intenção que serve como base para o funcionamento da mão mecânica.

“A ideia é que se você pode combinar esses sinais motores associados ao movimento de membros no mesmo lado com os movimentos da mão em si, novas conexões vão ser criadas em seu cérebro que permitem que áreas não danificadas tomem controle da mão paralisada”, explica Leuthardt.

Resultados significativos

Durante a fase de testes do programa, 10 dos 13 pacientes recrutados conseguiram cumprir a tarefa de usar a Ipsihand em intervalos que vão de 10 minutos a duas horas por dia durante 5 dias por semana — ao todo, o experimento durou 12 semanas. Após o fim desse período, os pacientes aumentam em 6.2 pontos seu desempenho em uma escala de 57 pontos ligados a diferentes aspectos de habilidades mecânicas.

Segundo Leuthardt, esse é um resultado bastante surpreendente e que deve aprimorar muito a qualidade de vida dos pacientes. Ele acredita que, conforme a tecnologia de detectar sinais do cérebro é aprimorada, um número ainda maior de vítimas de derrames vai conseguir acelerar a recuperação de funções motoras.

Fonte:Tecmundo



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *